Laura Lydia, artista plástica premiada com o trabalho Ervas sp, já está em Petrópolis

Assim como fez no Minhocão, em São Paulo, Laura está mapeando a vegetação do entorno do Sesc Quitandinha, e o resultado estará em cartaz no Palácio durante o evento que começa dia 19.

Nosso festival começa só dia 19 de julho, mas quem tiver ansioso para saber o que vem por aí em relação a artes visuais, pode ir ao Sesc Quitandinha conversar com a artista plástica Laura Lydia e conhecer o s eu trabalho. Desde o início do mês ela está desenvolvendo pesquisas no entorno do Palácio Sesc Quitandinha e o resultado desse mapeamento ficará em cartaz durante o evento.

Nascida por acaso na Espanha, a moradora do Rio foi vencedora em 2014 do prêmio Funarte Mulheres nas Artes, com o projeto “Ervas sp – Ocupação Elevado Costa e Silva”. É o resultado de um mapeamento do elevado conhecido como Minhocão, que liga as zona leste e oeste de São Paulo, para identificar a vegetação nascida espontaneamente de suas fendas e, posteriormente, realizar intervenções artísticas, com desenho e pintura no concreto, em interação visual com as plantas. Em resumo, a ideia é mostrar de forma poética a resistência da natureza frente ao concreto, tentando retomar um lugar que era inicialmente seu.

No entorno do Quitandinha, a artista está desenvolvendo trabalho semelhante, adaptado ao local. Está mapeando pássaros e vegetação e criando uma mostra que ficará exposto ao público no interior do palácio. O trabalho, em sua forma e metodologia – que envolve o espaço e  o contato com os artistas locais -, está alinhado ao mote desta edição do evento, que trata da questão dos territórios, uma forma de valorizar a identidade e a produção artística da região.

Quem quiser conhecer o trabalho e conversar com a artista pode ir ao Sesc Quitandinha, de quinta a domingo, das 10h às 17h. O agendamento deve ser feito pelo telefone (24) 2291-4465. Além de artes visuais, o Festival Sesc de Inverno, um dos maiores eventos de cultura multilinguagem do país, contempla atrações em literatura, cinema, música, teatro, dança e circo.

SAIBA MAIS SOBRE LAURA LYDIA

Laura Lydia vive e trabalha no Rio de Janeiro desde 2013. Formada em Artes Plásticas pela Unicamp, em 2003, e pós-graduada no Centro Cultural Mariantônia/USP, em 2010, desenvolve trabalhos que trafegam entre o desenho, a gravura, a fotografia e intervenções urbanas, elegendo a relação entre cidade e espaço natural como motivo principal de investigação.

Realizou 3 exposições individuais, dentre as quais se destaca “(R)existências”, na Galeria Luis M Art Lab em São Paulo, em 2016. Das coletivas das quais participou destacam-se “DisseCada” e “Paisagem Grão de Areia” em 2018, no Rio e Janeiro, “[O Desenho que Está] Insistente Novamente”, no Centro Cultural Ordováz filho, em Caxias do Sul, e “Self Service”, no Despina, onde abriga seu ateliê, ambas em 2017; “Às vezes é melhor fazer uma sopa”, no espaço SARACURA, em 2016, e na Galeria Gravura Brasileira, pelo SP Estampa, em 2012 e 2013, em São Paulo.

Entre os Salões dos quais participou, destacam-se o Salão de Jataí, e Praia Grande este ano, o SAC de Piracicaba, em 2018, 2017 e 2014, no qual recebeu o prêmio “Leitura de Portfólio”; e Salão de Atibaia, em 2012. Em 2017 participou do encontro de antropologia ReACT, na USP/SP, com exposição e oficina de desenho e do projeto de artes integradas (ProAC) “Riotietê e outras derivas”, como artista convidada. Este ano foi selecionada para o programade exposições MARP, Ribeirão Preto, participa da coletiva “Da linha, o fio”, no Espaço Cultural BNDS, Rio de Janeiro e será artista residente no Festival Sesc de inverno, em Petrópolis. Já realizou trabalhos para as unidades do sesc Santo Amaro, Bom Retiro, Pompeia e Campinas (SP), na maioria vinculados ao seu projeto “Ervas sp |Ocupação Elevado Costa e Silva”, que recebeu em 2014 o prêmio Funarte Mulheres nas Artes. Atua também como professora de artes visuais e ilustradora.